Parem de falar em inglês!!

(*post original publicado no Facebook em 06 de janeiro de 2017)

Vamos rebobinar a fita (entreguei a idade) para 2013, quando decidimos vir para o Canadá. Naquela época eu entrava em pânico de pensar que meus filhos, então com 7 e 2 anos, iriam para um país novo sem falar nada do idioma local. Carol ainda era muito pequena e não entraria direto para a escola mas o Rafael sim. A ideia “genial” foi colocá-lo correndo num curso de inglês para aprender o máximo possível. O problema foi que isso soou como uma cobrança e se transformou num peso enorme para ele. Não deu certo e quando vi que estava piorando tudo, tiramos ele da aula e deixamos pra ver o que aconteceria.

Setembro de 2014, pouco mais de 20 dias no Canadá, Rafael começou as aulas na escola. Nessa época nossa técnica foi colocar desenhos e filmes em inglês no Netflix e falar com eles em inglês, pelo menos frases básicas.
Isso ajudou bastante, treinou o ouvido e deu aquela ambientada neles. Aos poucos já estavam começando a reconhecer palavras e sons.
O desenvolvimento do Rafa foi incrível. Em 6 meses ele já se virava sozinho (depois de ter feito muita mímica nos primeiros meses) e em um ano ele já estava dominando o idioma.

Por volta de setembro de 2015 foi a hora da Carol entrar no daycare. Nessa época ela tinha um inglês bem fraco, entendia mais do que falava. Brincar com as crianças do condomínio foi o primeiro passo para o aprendizado de verdade porém, a experiência de entrar num daycare 4 vezes por semana full time foi um divisor de águas. Em 6 meses ela estava falando tudo!

Lindo né? Maravilhoso! Era tudo que a gente queria!
Nada dá mais orgulho do que ouvir meus filhos falando em inglês, ensinando e consertando a nossa pronúncia.

Pronto, acabaram os medos e os problemas…
MENTIRA!!! Essa é a parte que provavelmente ninguém te contou: eles apenas começaram e só percebi agora…

Janeiro de 2017. Rafael com quase 11 anos e Carol com quase 6. Faz mais ou menos 1 ano que posso dizer que tenho dois filhos fluentes em inglês e desde então isso tem se tornado, cada dia mais, um problema. A frase que eu mais repito em casa é a de abertura desse post: “PAREM DE FALAR EM INGLÊS!!”. Aconteceu o que eu não imaginava, ou nunca havia pensado a respeito… o inglês virou a primeira língua deles, a língua que eles convivem a maior parte do dia, a língua em que pensam e por conta disso a que têm facilidade maior em se comunicar. Algumas vezes fica claro que pensam em inglês quando falam coisas como:
– “Eu sou 10” (I am ten/Tenho dez anos)
– “Posso ter isso?” (May I have this?/Eu quero isso)
– “Como eles olham?” (How do they look like?/Como eles se parecem?)
– “Não é minha falta” (Is not my fault/Não é minha culpa)

Nossa luta diária por aqui passou a ser brigar pelo português. Virou lei em casa e é extremamente proibido falar inglês aqui dentro. E quando acontece eu peço que repitam a frase em português.

Confesso que está sendo muito difícil e estressante mas não vamos desistir. Ler livros, assistir filmes e falar, falar muito em português, vão continuar sendo as nossas “armas” para manter a língua nativa das crianças. Independente de voltar para o Brasil, ficar no Canadá ou ir para qualquer país do mundo, eles são brasileiros e é nosso dever, como pais, manter o idioma nativo.

Sei que muitas famílias com crianças pequenas tem essa preocupação e é por isso quis dividir com vocês essas fases que vivemos. Meu conselho de mãe é: não se preocupem com o inglês. Mesmo!!
SE PREOCUPEM COM O PORTUGUÊS!
Tragam filmes, livros, conversem, falem, leiam mas não desanimem! Tenham paciência e determinação mas não desistam!!

Até a próxima!

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s